Últimas Notícias
0
Versão sem anúncios. Atualize a sua experiência na Investing.com. Poupe até 40% Mais detalhes

O que se sabe até ao momento sobre varíola-dos-macacos

Economia 19.05.2022 15:10
Guardado. Veja Artigos Guardados.
Este artigo já foi guardado em Artigos Guardados
 
O que se sabe até ao momento sobre varíola-dos-macacos

Casos suspeitos ou confirmados de varíola-dos-macacos, uma infeção viral rara relacionada com a varíola, foram já identificados nos Estados Unidos, Canadá e vários países europeus.

Normalmente limitada a África, este surto está agora a espalhar-se pelo mundo.

O Canadá estaria igualmente a investigar uma dúzia de casos suspeitos em torno de Montreal, depois de Espanha e Portugal terem detetado mais de 40 casos possíveis e confirmados e o Reino Unido ter confirmado um total de nove.

As autoridades de saúde portuguesas já confirmaram pelo menos 14 casos. 

Todos os casos relatados em Portugal envolvem homens, na sua maioria jovens, disseram as autoridades. Para além de lesões cutâneas todos se encontram em estado estável.

A Agência de Segurança Sanitária do Reino Unido (UKHSA) foi a primeira autoridade sanitária na Europa a denunciar publicamente um caso de varíola-dos-macacos a 7 de maio, identificado num indivíduo proveniente da Nigéria. Desde então, confirmou pelo menos nove casos.

A UKHSA recomendou que se tivesse em especial atenção as lesões nos órgãos genitais.

Crianças com varíola-dos-macacos, fotografadas na atual República Democrática do Congo em 1970 OMS/Mark V. Szczeniowski

Em Espanha, a região de Madrid estava a investigar 23 casos possíveis, todos em jovens do sexo masculino.

A varíola-dos-macacos é um parente da varíola propriamente dita, uma doença que foi erradicada em 1980, mas que é menos transmissível causando sintomas menos graves.

A doença dura normalmente de duas a quatro semanas e os sintomas podem aparecer em qualquer lugar entre cinco a 21 dias após a infeção.

Os sintomas da varíola começam geralmente com uma mistura de febre, dores de cabeça, dores musculares, dores nas costas, calafrios, exaustão, e gânglios linfáticos inchados.

Este último sintoma é tipicamente o que ajuda os médicos a distinguir a varíola-dos-macacos da varicela ou varíola, de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS).

Quando se tem febre, a principal característica da varíola macaco, uma erupção cutânea desagradável, tende a desenvolver-se um a três dias mais tarde, muitas vezes começando no rosto e depois espalhando-se para outras partes do corpo.

O vírus da varíola-dos-macacos pertence ao género Orthopoxvirus na família Poxviridae. Foi descoberto pela primeira vez em 1958 quando dois surtos de uma doença semelhante à varíola ocorreram em macacos de laboratório mantidos para investigação, daí o nome.

A varíola humana causa principalmente surtos nas regiões de floresta tropical da África Central e Ocidental e não é normalmente observada na Europa.

A República Democrática do Congo (RDC) teve o primeiro caso humano registado de varíola-dos-macacos em 1970.

Desde então, foram relatados casos em 11 países africanos: Benim, Camarões, República Centro-Africana, República Democrática do Congo, Gabão, Costa do Marfim, Libéria, Nigéria, República do Congo, Serra Leoa, e Sul do Sudão.

O primeiro surto de varíola-dos-macacos notificado fora de África resultou da importação de mamíferos infetados em 2003 nos Estados Unidos, de acordo com o Centro de Controlo e Prevenção de Doenças (CDC) dos EUA.

Mais recentemente, em 2018 e 2019, dois viajantes do Reino Unido, um de Israel, e um de Singapura, todos com historial de viagens na Nigéria, foram diagnosticados com varíola-dos-macacos após um grande surto no país, de acordo com a própria agência de saúde europeia, o Centro Europeu de Prevenção e Controlo das Doenças (ECDC).

TransmissãoO vírus transmite-se através de mordeduras ou arranhões provocados por animais infetados, ou através de contato direto com alguém infetado.

O vírus entra no corpo através de lesões cutâneas, das vias respiratórias ou das mucosas (olhos, nariz, ou boca).

Pensa-se que a transmissão de humano para humano ocorre principalmente através de grandes gotículas respiratórias, que geralmente não podem viajar mais do que alguns metros, pelo que seria necessário um contato próximo prolongado.

Alguns peritos britânicos que comentaram o recente surto no Reino Unido disseram que em breve se iria concluir que a varíola-dos-macacos se propaga através do contacto sexual. Tal contudo permanece uma possibilidade.

Qualquer pessoa, independentemente da sua orientação sexual, pode propagar a varíola através do contato com fluidos corporais, feridas de varíola, ou artigos partilhados (tais como roupa e roupa de cama) que tenham sido contaminados

Centro de Controlo de Doenças (CDC), EUA

Os Centros de Controlo e Prevenção de Doenças (CDC) dos EUA salientaram numa declaração que "qualquer pessoa, independentemente da sua orientação sexual, pode propagar a varíola através do contato com fluidos corporais, feridas de varíola, ou artigos partilhados (tais como roupa e roupa de cama) que tenham sido contaminados".

Sintomas e mortalidade

Embora os seus sintomas sejam mais ligeiros do que os da varíola, a varíola-dos-macacos causou a morte em cerca de 10% dos doentes infetados com o vírus da Bacia do Congo, em comparação com cerca de 30% para a varíola, de acordo com dados da OMS.

A mortalidade é mais elevada entre crianças e adultos jovens, e os indivíduos imunodeprimidos estão especialmente em risco de doença grave.

A varíola-dos-macacos durante a gravidez também pode levar a complicações, varíola congénita, ou nado-mortos, advertiu a OMS na segunda-feira.

Não existe actualmente nenhum tratamento específico recomendado para a varíola-dos-macacos, e esta geralmente desaparece por si só.

Acredita-se que a vacinação contra a varíola é altamente eficaz na prevenção da varíola-dos-macacos, mas como a varíola foi declarada erradicada há mais de 40 anos, as vacinas de primeira geração contra a varíola já não estão disponíveis para o público em geral.

Uma vacina mais recente desenvolvida pela Bavarian Nordic para a prevenção da varíola e da varíola-dos-macacos foi aprovada na União Europeia, nos Estados Unidos e no Canadá (sob os nomes comerciais Imvanex, Jynneos e Imvamune), e estão também a ser desenvolvidos antivirais.

O que se sabe até ao momento sobre varíola-dos-macacos
 

Artigos Relacionados

Doenças raras:
Doenças raras: "as dificuldades dão-nos força" Por Euronews PT - 16.06.2022

Caroline Sablayrolles tem o síndrome de Stargardt, uma doença genética que causa, progressivamente, a perda parcial da visão.  Em entrevista à euronews, a professora de piano...

Adicione um comentário

Diretrizes para Comentários

Encorajamos o uso de comentários como forma de interagir com os nossos usuários, compartilhar a sua perspetiva e fazer perguntas. No entanto, a fim de manter o alto nível do discurso que todos nós valorizamos e esperamos, por favor, mantenha os seguintes critérios em mente:

  • Enriqueça a conversa
  • Mantenha-se focado no tema. Apenas coloque conteúdo relativo ao tópico.
  • Seja respeitoso. Até as opiniões negativas podem ser enquadradas de forma positiva e diplomática.
  • Use estilo de escrita padrão. Incluir pontuação e letras maiúsculas e minúsculas.
  • NOTA: Spam e/ou mensagens promocionais ou links dentro de um comentário serão removidos.
  • Evite palavrões, calúnias ou ataques pessoais dirigidos a um autor ou outro usuário.
  • Somente serão permitidos comentários em Português.

Os autores de spam ou abuso serão excluídos do site e proibidos de registro no futuro, a critério Investing.com.

Escreva o que você pensa aqui
 
Tem certeza que deseja eliminar este gráfico?
 
Postar
Também publique em :
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua capacidade de comentar está suspensa devido a relatórios negativos por partes utilizadores. O estado será revisto pelos nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Obrigado pelo seu comentário. Por favor, note que todos os comentários estão automaticamente pendentes, em nosso sistema, até que aprovados por nossos moderadores. Por este motivo, pode demorar algum tempo antes que o mesmo apareça em nosso site.
 
Tem certeza que deseja eliminar este gráfico?
 
Postar
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua capacidade de comentar está suspensa devido a relatórios negativos por partes utilizadores. O estado será revisto pelos nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Anexar um gráfico a um comentário
Confirmar Bloqueio

Quer mesmo bloquear %USER_NAME%?

Se o fizer, não poderá consultar as mensagens de %USER_NAME% e vice versa em Investing.com.

Adicionou %USER_NAME% com sucesso à sua Lista de Bloqueios

Uma vez que acabou de desbloquear esta pessoa, deve aguardar 48 horas antes de bloqueá-la novamente.

Denunciar este comentário

Diga-nos o que achou deste comentário

Comentário denunciado

Obrigado!

Seu comentário foi enviado aos moderadores para revisão
Registe-se com o Google
ou
Registe-se com email