🟢 Os mercados subiram. Os mais de 120 000 membros da nossa comunidade sabem o que devem fazer. Você também pode saber.Poupar 50%

Destaques da semana 51/52: tecnologia, marketing e negócios

Publicado 26.12.2022, 10:11
GOOGL
-
AMZN
-
CRM
-
NFLX
-
TSLA
-
META
-
HOOD
-

CEO da Salesforce questiona teletrabalho

O cofundador da Salesforce (NYSE:CRM) e CEO, Marc Benioff, outrora apoiante do trabalho à distância como algo permanente da vida empresarial, questionou o impacto do trabalho a partir de casa ao apontar a menor produtividade.

«Não estamos a construir conhecimentos tribais com novos empregados sem uma cultura de escritório?» A CNBC citou esta mensagem interna.

Os comentários parecem marcar um ponto de viragem no pensamento da empresa. A Salesforce é uma das maiores empresas de software do mundo, mais conhecida por ter produzido o CRM chamado Sales Cloud. A empresa conta com outros produtos com foco em atendimento ao cliente, marketing, inteligência artificial, gestão de comunidades, entre outras frentes. A Salesforce é o maior empregador privado de São Francisco, foi dos primeiros a deixar os empregados continuarem a trabalhar a partir de casa após a pandemia de COVID-19.

No ano passado, a Salesforce comprou a plataforma Slack por 27,7 mil milhões de dólares, e Benioff disse que mais pessoas estavam a utilizar o software de comunicação, porque havia empregados que não iam voltar para o escritório. Já este verão, Benioff começou a mudar de opinião.

A Salesforce está sob pressão com a diminuição do crescimento das receitas numa economia em abrandamento. Ele deu conta de que as pessoas contratadas, durante os anos pandémicos, «estão especialmente confrontadas com uma produtividade mais baixa».

Twitter pode equilibrar as contas em 2023

Após de avisar há cinco semanas que o Twitter poderia perder milhares de milhões de dólares no próximo ano (motivo: fuga de anunciantes), o CEO, Elon Musk, na terça-feira à noite, disse que a empresa poderia ficar breakeven, devido aos seus recentes cortes de custos. Musk fez o comentário numa conversa áudio no Twitter Spaces liderada pelo programador George Hotz, que disse ter estado a ajudar o CEO da Tesla e do SpaceX a planear melhorias no software do Twitter.

Segundo Musk, o Twitter prevê gastar 5 mil milhões de dólares para operar o negócio em 2023, mas as receitas estavam no bom caminho para atingir 3 mil milhões, abaixo dos 4 mil milhões em 2021.

A empresa tem de pagar 1,5 mil milhões de dólares em pagamentos relacionados com a dívida que Musk pediu para financiar a sua compra de 44 mil milhões de dólares. Depois de cortar três quartos dos 8000 funcionários do Twitter, Musk disse: «Penso que o Twitter estará bem no próximo ano» e deverá ser capaz de se equilibrar em termos de fluxo de caixa, implicando que as receitas correspondam aos custos operacionais e despesas de capital. Acrescentou que não era «naturalmente caprichoso», mas que tinha de fazer cortes profundos ou o Twitter «morreria».

Musk não discutiu as atuais receitas projetadas do Twitter, mas implicou anteriormente que as vendas de anúncios - a maior fonte de receitas - estavam abaladas desde que o negócio foi concluído em finais de outubro.

ByteDance teve acesso a dados de jornalistas nos EUA

A empresa-mãe da TikTok, ByteDance, despediu quatro empregados depois de uma investigação interna ter determinado que tinham acesso a dados sobre dois jornalistas e outros utilizadores nos EUA, numa tentativa de encontrar a fonte de fuga de informação da empresa.

No início deste ano, a TikTok negou que os dados nunca foram utilizados para atingir jornalistas. Mas agora despediu funcionários por localizarem o paradeiro dos repórteres norte-americanos que cobrem a empresa.

Os dados incluíam os endereços IP dos jornalistas e outras informações, bem como dados relacionados com pessoas com as quais tinham ligações na TikTok.

A revelação poderia suscitar críticas ao tratamento dos dados dos utilizadores por parte da ByteDance, no meio de reivindicações do governo dos EUA e de outros funcionários, demonstrando que a aplicação representa uma ameaça à privacidade dos utilizadores e à segurança nacional.

Governadores de 19 estados proibiram o TikTok em dispositivos emitidos pelo governo, e o Congresso poderia em breve aprovar uma medida semelhante.

Breves atualidades da semana

• TikTok adicionou a marcação de localização para vídeos. A pesquisa TikTok está prestes a obter uma funcionalidade útil para utilizadores e empresas que pode originar, no futuro, um mapa (à lá Google Maps).

• Google (NASDAQ:GOOGL) fez alterações significativas ao E-E-A-T com atualizações às diretrizes de qualidade.

A alteração mais importante é a introdução da letra E ao início da popular sigla E-A-T. A Google atualiza este documento várias vezes por ano, e a última versão, apresenta alterações notáveis na estrutura do documento, com novas secções e tabelas adicionadas num total de 11 novas páginas de conteúdo.

O Google introduz agora o conceito de E-E-A-T, que significa (traduzindo para português)

  • Experiência.
  • Expertise.
  • Autenticidade.
  • (Trustworthiness) Confiabilidade.

A adição de «experiência» indica que a qualidade do conteúdo também pode ser avaliada através da lente de compreensão, na medida em que o criador do conteúdo tem experiência em primeira mão no tópico.

• Instagram lança nova ferramenta para ajudar os utilizadores hackeados a recuperar o acesso à conta. Os utilizadores do Instagram que são vítimas de hacking têm agora uma nova forma de tentar recuperar a sua conta. A empresa anunciou o Instagram.com/hacked, uma nova funcionalidade para reportar e tentar resolver problemas de acesso à conta.

• Elon Musk foi ao Twitter Spaces na tarde de quinta-feira para tranquilizar os investidores descontentes da Tesla, referindo que era conhecedor dos assuntos do fabricante de carros elétricos. Numa sala de chat áudio no Twitter, Musk disse que o seu foco «será absolutamente» a Tesla, acrescentando que o Twitter tem «talvez 10 % da complexidade» do fabricante de automóveis.

«Tesla (NASDAQ:TSLA) é, fundamentalmente, uma besta muito mais complexa do que o Twitter». Portanto, «as coisas necessárias para operar o Twitter são menores", disse Musk à audiência de cerca de 60 000 ouvintes, que incluía os investidores da Tesla, como Gary Black e Ross Gerber.

Musk disse recentemente que iria abandonar o seu papel de CEO no Twitter e concentrar-se apenas em liderar as equipas de produtos e tecnologia. Ele fez a promessa depois de conduzir uma sondagem no Twitter no domingo, na qual a maioria dos participantes disse querer que Musk desistisse deste cargo.

O seu reinado no Twitter correspondeu a uma venda no mercado que viu as ações da Tesla caírem 32 % só no último mês.

• YouTube finaliza acordo com a NFL e paga 2,5 mil milhões. O YouTube conseguiu um acordo para levar o pacote de jogos da NFL Sunday Ticket durante vários anos, com início em 2023. A CNBC informou que eram cerca de 2,5 mil milhões de dólares por ano, cerca de mais 500 milhões de dólares do que a DirecTV pagava.

O Sunday Ticket estará disponível tanto como um suplemento ao serviço de transmissão via YouTube TV, como um serviço autónomo nos canais do Primetime do YouTube.

Os Canais Primetime do YouTube permitem às pessoas subscrever outros serviços de streaming através do YouTube, semelhantes a algo que a Amazon (NASDAQ:AMZN) oferece através do Prime Video. Ambas as opções transformam os serviços de streaming em mais de uma plataforma.

• Tesla duplicou o desconto no seu Modelo 3 e Modelo Y de $3.750 para $7.500 para carros entregues antes do final do ano, um sinal de que a procura de veículos elétricos tem sido fraca, de acordo com o The Wall Street Journal. As ações da Tesla fecharam quase 9 % mais baixas na quinta-feira.

Os descontos destacam-se quando comparados com os dos rivais da Tesla. São mais acentuados do que as promoções típicas das empresas de automóveis em dezembro e vêm à medida que a indústria enfrenta carências que têm favorecido os fabricantes. Em média, as empresas gastaram 1.187 dólares por veículo em promoções em dezembro, e outros vendedores aumentaram os seus preços.

• A Netflix (NASDAQ:NFLX) provavelmente estragou o Natal do Diretor Executivo da Peloton com o seu anúncio na quarta-feira de que planeia começar a transmitir conteúdos de fitness da Nike (NYSE:NKE) no dia 30 de dezembro.

Não admira que as ações na bolsa da Peloton tenha caído quase 7 % hoje, sexta-feira.

A expansão do serviço baseado em assinaturas da Peloton é fulcral para o seu plano de recuperação da empresa. As suas subscrições oferecem agora aulas de fitness através de vídeo, embora McCarthy tenha pensado numa recente conferência que a Peloton poderia diversificar com a programação feita por outros - talvez mesmo uma gama mais ampla de conteúdos, tais como filmes. Este tipo de ambição abrangente pode ter chamado a atenção de Reed Hastings, CEO da Netflix.

A Peloton não representa qualquer ameaça para a Netflix. As receitas de assinatura da Peloton foram de 412 milhões de dólares.

Como o movimento Netflix mostra, a concorrência está apenas a aumentar. Em tempos económicos difíceis, quando todos procuram formas de poupar dinheiro - especialmente nas subscrições, que se somam aos extratos mensais dos cartões de crédito -, tudo o que não oferece uma boa relação custo-benefício está sob maior escrutínio. A nova oferta da Netflix certamente não está ao nível do que a Peloton oferece. Mas pode ser bom o suficiente para tirar uma empresa dos carris.

• O CEO da Meta Platforms (NASDAQ:META), Mark Zuckerberg, disse a um tribunal federal na terça-feira que «quase não havia hipótese» de a empresa desenvolver um projeto de fitness de Realidade Virtual (RV) no clima económico atual.

Zuckerberg testemunhou num caso apresentado contra a Meta pela Comissão Federal de Comércio (FTC), que procura bloquear a aquisição pela Meta de 400 milhões de dólares referente ao estúdio VR Within, criador do popular jogo de fitness, o Supernatural. O seu testemunho deixou claro que a pressão económica sobre a Meta, que resultou no despedimento de 13 % dos seus trabalhadores, mudou o pensamento da empresa sobre investimentos.

A FTC argumenta que, ao adquirir o Within, a Meta procura dominar o emergente mercado de RV, e um tal negócio limitaria a concorrência futura. A FTC salientou que a Meta esperava, ao oferecer jogos de fitness, atrair mais mulheres para comprar os seus auscultadores RV. Além disso, a Meta tinha adquirido o líder de mercado em aplicações de fitness em vez de apenas construir os seus próprios, argumentou a FTC.

• A Amazon (NASDAQ:AMZN) resolveu dois casos antitrust da União Europeia centrados no seu tratamento de vendedores independentes, disse a Comissão Europeia na terça-feira.

A Amazon não vai pagar uma multa, mas concordou em fazer três mudanças fundamentais na forma como trata os vendedores que utilizam a sua plataforma e que operam no bloco europeu, de acordo com a UE.

Os produtos dos vendedores na Amazon terão agora tantas hipóteses como os próprios produtos da Amazon de serem colocados na Buy Box, a secção da interface do site com botões proeminentes Buy Now e Add to Cart, um movimento que provavelmente irá aumentar as vendas para alguns vendedores independentes.

Os comerciantes poderão também ver os seus produtos aparecer sob o rótulo Amazon Prime mesmo que não utilizem os serviços de logística da Amazon.

Por exemplo, um vendedor que utilize a DHL para enviar produtos vendidos através da Amazon ainda será elegível para receber uma etiqueta Prime nos seus produtos, mesmo que os produtos nunca toquem numa instalação da Amazon, desde que os produtos cheguem de forma fiável e a tempo.

A terceira secção do acordo proíbe a Amazon de utilizar dados não públicos de vendedores independentes para tomar decisões comerciais, incluindo sobre os produtos de marca própria da Amazon.

• A União Europeia anunciou que abrirá uma investigação sobre a proposta da Broadcom (NASDAQ:AVGO) de aquisição da VMware no valor de 61 mil milhões de dólares, devido a preocupações de que a Broadcom possa tentar impedir as empresas de hardware concorrentes, limitando a sua capacidade de interoperar com o software da VMware.

A decisão, que irá adiar até maio a deliberação final da UE sobre a aprovação da aquisição, sugere que a Broadcom poderia ter mais dificuldades em conseguir a VMware do que alguns dos seus anteriores negócios de software, que incluem a sua aquisição da CA Technologies no valor de 19 mil milhões de dólares em 2018 e a sua aquisição da unidade empresarial da Symantec (NASDAQ:GEN) no ano seguinte, no valor de 10,7 mil milhões de dólares.

Isto também mostra porque a VMware, em virtude da sua prevalência em centros de dados empresariais, é um ativo tão único no mundo do software empresarial. A VMware ganhou destaque em grande parte devido às suas parcerias de integração com centenas de outras empresas de software e hardware, o que significa que quaisquer alterações que a Broadcom possa fazer poderão ter consequências de grande alcance.

• A participação de 7,6 % de Sam Bankman-Fried na Robinhood (NASDAQ:HOOD) faz agora parte do processo de falência da FTX e é subitamente objeto de uma querela.

A FTX revelou, na quinta-feira, que o processo de falência envolve três grupos diferentes que estão a tentar obter o controlo da stock-Blockfi.

A participação na Robinhood foi comprada por cerca de 649 milhões de dólares em maio por uma empresa com fins especiais, propriedade a 90 % da Bankman-Fried. Mas os funcionários que supervisionam a FTX em falência disseram no processo que a sua investigação sugere que as ações da Robinhood fazem parte da massa falida. Os funcionários estão a tentar manter a participação congelada até que os diferentes créditos sejam resolvidos.

A própria BlockFi procura reclamar as ações da Robinhood para a ajudar a cobrar uma dívida da Alameda.

As ações da Robinhood caíram desde que a Bankman-Fried comprou as ações. A participação vale agora cerca de 450 milhões de dólares.

• A Core Scientific, uma das maiores empresas mineiras de bitcoin do mundo, requereu na quarta-feira a proteção contra a falência, a última empresa de criptografia a fazê-lo no atual Inverno criptográfico.

A queda nos preços do bitcoin e o aumento dos custos da mineração de bitcoin levaram a lutas pelas empresas mineiras de bitcoin ao longo do último ano. Empresas como a crypto exchange Binance criaram fundos para apoiar os mineiros de bitcoin através de empréstimos, enquanto a empresa de investimento Grayscale está a criar um fundo para a compra de equipamento de mineração.

Estudo interessante da SNAP (NYSE:SNAP) sobre o que é que o Gen Z quer das Marcas?

Últimos comentários

A carregar o próximo artigo...
Divulgação de riscos: A realização de transações com instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve altos riscos, incluindo o risco de perda de uma parte ou da totalidade do valor do investimento, e pode não ser adequada para todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos tais como eventos financeiros, regulamentares ou políticos. A realização de transações com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir realizar transações com instrumentos financeiros ou criptomoedas, deve informar-se sobre os riscos e custos associados à realização de transações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente os seus objetivos de investimento, nível de experiência e nível de risco aceitável, e procurar aconselhamento profissional quando este é necessário.
A Fusion Media gostaria de recordar os seus utilizadores de que os dados contidos neste website não são necessariamente fornecidos em tempo real ou exatos. Os dados e preços apresentados neste website não são necessariamente fornecidos por quaisquer mercados ou bolsas de valores, mas podem ser fornecidos por formadores de mercados. Como tal, os preços podem não ser exatos e podem ser diferentes dos preços efetivos em determinados mercados, o que significa que os preços são indicativos e inapropriados para a realização de transações nos mercados. A Fusion Media e qualquer fornecedor dos dados contidos neste website não aceitam a imputação de responsabilidade por quaisquer perdas ou danos resultantes das transações realizadas pelos seus utilizadores, ou pela confiança que os seus utilizadores depositam nas informações contidas neste website.
É proibido usar, armazenar, reproduzir, mostrar, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos neste website sem a autorização prévia e explicitamente concedida por escrito pela Fusion Media e/ou pelo fornecedor de dados. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados pelos fornecedores e/ou pela bolsa de valores responsável pelo fornecimento dos dados contidos neste website.
A Fusion Media pode ser indemnizada pelos anunciantes publicitários apresentados neste website, com base na interação dos seus utilizadores com os anúncios publicitários ou com os anunciantes publicitários.
A versão em inglês deste acordo é a versão principal, a qual prevalece sempre que há qualquer discrepância entre a versão em inglês e a versão em português.
© 2007-2024 - Fusion Media Limited. Todos os direitos reservados.