🔥 Ações premium escolhidas por IA da InvestingPro Poupe agora até 50%OBTER OFERTA

O padrão histórico do S&P 500 a não perder de vista

Publicado 27.09.2021, 13:49
EUR/USD
-
US500
-
JPM
-
ADSGN
-
SASY
-
IBE
-
PRTP
-
ENEI
-
BSESN
-
VIX
-
3333
-

Uma semana complicada com o tema da Evergrande (HK:3333) e as decisões de muitos bancos centrais. Mesmo assim os três principais índices de Wall Street registaram aumentos de meio ponto percentual. O S&P Global BMI, um índice de 11.000 ações de 25 mercados desenvolvidos e 25 mercados emergentes, regressou +16% ao longo do ano. O S&P United States BMI e o S&P Emerging Europe BMI têm registado retornos anuais de mais de +20%. Por outro lado, os principais índices de ações da Índia subiram para níveis recorde de otimismo que a aceleração das vacinas irá melhorar a procura empresarial. O S&P BSE Sensex ultrapassou os 60.000 pontos pela primeira vez e o NSE Nifty 50 aproximou-se dos 18.000 pontos.

Na Europa, as ações com pior desempenho em Setembro são Iberdrola (MC:IBE) -12,17%, Kone -10,99%, Enel (MI:ENEI) -9,06%, Sanofi (PA:SASY) -6,39%, Prosus -6,26%, Adidas (DE:ADSGN) -6,14% e Kering (PA:PRTP) -5,96%.

Em rendimento fixo, os rendimentos negativos do pacote alemão a 10 anos caíram para -0,20%, um nível não visto desde Julho, enquanto em Espanha o rendimento do título a 10 anos subiu acima de +0,40%, no seu nível mais alto desde Julho. Nos Estados Unidos, o rendimento das obrigações a dez anos sobe para +1,45%, o nível mais alto desde 5 de Julho.

O sentimento do investidor semanal (AAII) é o seguinte:

- Sentimento de alta (expectativas de que os stocks irão aumentar nos próximos seis meses): caiu 16,4 pontos percentuais para 22,4%. Este é o nível mais baixo desde 29 de Julho de 2020 e muito abaixo da média histórica de 38%.

- Sentimento de bearish (expectativas de que os stocks irão diminuir nos próximos seis meses): subiu 12,1 pontos percentuais para 39,3%. Esta é a sétima vez nas últimas nove semanas que tem estado acima da média histórica de 30,5%.

Veja o seguinte gráfico do S&P 500. A média móvel de 50 dias sempre funcionou muito bem como zona de nivelamento, de modo que cada vez que o índice descansava um pouco e baixava, apoiava-se nele para absorver oxigénio e voltar para cima e quebrando acima dos máximos crescentes. Foi o caso em todas as sete vezes este ano que 2021 tocou a média móvel de 50 dias. 

Mas na semana passada começou a abrir abaixo deste valor e foram levantados alarmes, tudo devido à questão Evergrande e ao possível incumprimento, pois estamos a falar da ameaça de falência da empresa imobiliária mais endividada do mundo com um passivo de mais de 300 mil milhões de dólares, um facto que pôs os mercados em alerta devido ao receio de um efeito dominó nas empresas imobiliárias e bancos chineses.

O S&P 500 conseguiu rapidamente voltar ao bom caminho e ultrapassar a média móvel.

S&P 500

Por seu lado, o S&P 500 ETF não encerra uma sessão abaixo da sua média móvel de 200 dias desde Maio de 2020. Esta é a 5ª caminhada mais longa desde o seu início em 1993.

Após a queda de 1,7% no S&P 500 na passada segunda-feira, quase 200 ações já se encontram abaixo das suas médias móveis de 200 dias. Mas nem todas as ações no S&P 500 estão assim, a Moderna não só está 97% acima da sua média móvel de 200 dias, mas também 13% acima da sua média móvel de 50 dias.

Há um padrão que historicamente funciona muito bem e é o seguinte: quando o S&P 500 não perde no primeiro trimestre do ano os mínimos de Dezembro anterior, o resto do ano costuma aumentar fortemente, e a subida média histórica é de +18,4%. Bem, este ano essa premissa foi cumprida no primeiro trimestre e, com efeito, no resto do ano o S&P 500 atingiu esse aumento de +18,4%.  

Isto aconteceu em 35 ocasiões, sendo os anos em que o resto do ano mais subiu, 1954 (+45%), 1958 (+38,1%), 1995 (+34,1%), 1975 (+31,5%), 1997 (+31%). Nessas 35 ocasiões, apenas duas vezes o S&P 500 não subiu durante o resto do ano, uma em 2011 quando se manteve em 0% e a outra em 2015 quando caiu ligeiramente -0,7%. No ano corrente de 2021 a premissa vai bem, Dezembro foi de 3647 pontos e o mínimo no primeiro trimestre foi de 3700 pontos.

O Índice de Volatilidade CBOE subiu na semana passada para o nível mais alto em quase quatro meses. O medidor de volatilidade implícita de um mês do JPMorgan (NYSE:JPM) nas moedas do G7 atingiu uma alta de sete semanas. Isto aconteceu numa semana em que a Reserva Federal e 14 bancos centrais tomaram decisões sobre as taxas de juro e deram pistas sobre o futuro da política monetária. Entretanto, a maioria das moedas do G10 caíram em relação ao dólar em Setembro.

Vejamos algumas notas de outros mercados:

- A procura de centrais elétricas empurra os preços do carvão na Europa para o seu nível mais alto em 13 anos. O carvão europeu para entrega no próximo ano subiu para o nível mais alto desde 2008 com uma forte procura de centrais elétricas e existências escassas.

- Os futuros do café arábica aumentaram com as preocupações sobre a diminuição da produção no Brasil devido à seca e à geada, juntamente com as interrupções das exportações no Vietname devido à Covid. Espera-se que a colheita do Brasil diminua 25,7% em 2021 a partir de 2020.

- Num ano, passámos da expectativa de abastecimento de gás abundante e barato para a preocupação de que a escassez pode surgir se tivermos um Inverno frio. Com a previsão de Inverno frio para a Europa, temos uma situação preocupante na UE e no Reino Unido para os próximos seis a nove meses. É provável que a escassez de gás persista no próximo ano. E os problemas na Europa são estruturais.

- Os futuros do aço estenderam-se ao nível mais alto desde meados de Maio e aproximaram-se do recorde do início do ano, à medida que as restrições na China pesam sobre a produção.

- Depois do boom do ferro ter dado dividendos recordes aos principais mineiros do mundo, desde então têm mergulhado à medida que os preços caem. As ações mineiras perderam cerca de 109 mil milhões de dólares desde o final de Julho. Espera-se que o ferro venha a sofrer ainda mais.

- Os futuros de borracha japoneses caíram abaixo dos 190 ienes, mantendo-se perto do seu nível mais baixo desde Agosto de 2020.

- Os futuros de urânio subiram mais de +65% desde meados de Agosto para mais de $50, o valor mais alto desde Junho de 2012, impulsionados pelas compras do fundo de investimento Sprott Physical Uranium Trust.

Últimos comentários

A carregar o próximo artigo...
Divulgação de riscos: A realização de transações com instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve altos riscos, incluindo o risco de perda de uma parte ou da totalidade do valor do investimento, e pode não ser adequada para todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos tais como eventos financeiros, regulamentares ou políticos. A realização de transações com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir realizar transações com instrumentos financeiros ou criptomoedas, deve informar-se sobre os riscos e custos associados à realização de transações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente os seus objetivos de investimento, nível de experiência e nível de risco aceitável, e procurar aconselhamento profissional quando este é necessário.
A Fusion Media gostaria de recordar os seus utilizadores de que os dados contidos neste website não são necessariamente fornecidos em tempo real ou exatos. Os dados e preços apresentados neste website não são necessariamente fornecidos por quaisquer mercados ou bolsas de valores, mas podem ser fornecidos por formadores de mercados. Como tal, os preços podem não ser exatos e podem ser diferentes dos preços efetivos em determinados mercados, o que significa que os preços são indicativos e inapropriados para a realização de transações nos mercados. A Fusion Media e qualquer fornecedor dos dados contidos neste website não aceitam a imputação de responsabilidade por quaisquer perdas ou danos resultantes das transações realizadas pelos seus utilizadores, ou pela confiança que os seus utilizadores depositam nas informações contidas neste website.
É proibido usar, armazenar, reproduzir, mostrar, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos neste website sem a autorização prévia e explicitamente concedida por escrito pela Fusion Media e/ou pelo fornecedor de dados. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados pelos fornecedores e/ou pela bolsa de valores responsável pelo fornecimento dos dados contidos neste website.
A Fusion Media pode ser indemnizada pelos anunciantes publicitários apresentados neste website, com base na interação dos seus utilizadores com os anúncios publicitários ou com os anunciantes publicitários.
A versão em inglês deste acordo é a versão principal, a qual prevalece sempre que há qualquer discrepância entre a versão em inglês e a versão em português.
© 2007-2024 - Fusion Media Limited. Todos os direitos reservados.