🟢 Os mercados subiram. Os mais de 120 000 membros da nossa comunidade sabem o que devem fazer. Você também pode saber.Poupar 50%

Se as grandes empresas de tecnologia se unirem a Ucrânia poderá derrotar a Rússia mais rapidamente, diz Kiev

Publicado 15.03.2024, 10:46
Se as grandes empresas de tecnologia se unirem a Ucrânia poderá derrotar a Rússia mais rapidamente, diz Kiev
MSFT
-
GOOGL
-
AAPL
-
IBM
-
NFLX
-
GOOG
-

Desde um exército de drones que protegem as fronteiras da Ucrânia até às mensagens diárias do Presidente Volodymyr Zelenskyy nas redes sociais, a tecnologia salvou vidas e ajudou o país a manter-se firme contra a invasão em grande escala da Rússia.

O cérebro por detrás desta abordagem é Mykhailo Fedorov, um antigo especialista em marketing digital de 33 anos que se tornou Vice-Primeiro-Ministro ucraniano para as Inovações, Desenvolvimento da Educação, Ciência e Tecnologias e Ministro da Transformação Digital da Ucrânia.

"Não temos tantas pessoas como a Federação Russa, e isso é matemática básica", disse Fedorov à euronews.

"É por isso que a tecnologia tem uma vantagem competitiva muito específica que nos permite parar o inimigo onde ele está e proporcionar uma ação assimétrica".

As tecnologias não tripuladas são um "fator de mudança". Os drones auto-detonantes da Ucrânia têm sido uma arma barata e eficaz na guerra para recolher informações e destruir o dispendioso equipamento militar russo.

Nas últimas semanas, os drones ucranianos atacaram instalações petrolíferas russas e perseguiram navios russos em mar aberto e em bases navais.

A guerra eletrónica

Os drones auto-detonantes da Ucrânia são uma peça fundamental do seu arsenal. Mas a Rússia dispõe de fortes contra-medidas eletrónicas e tem experiência nessas técnicas.

É uma guerra tecnológica que está a evoluir muito depressa

Mykhailo Fedorov Ministro da Transformação Digital da Ucrânia

A Rússia dispõe de um importante equipamento de interferência que pode sobrepor-se aos sinais ucranianos, bloqueando ou interferindo com as comunicações sem fios utilizadas pelos seus drones.

Fedorov afirma que a escola de engenharia do país está a formar um grupo de engenheiros que sabem codificar e que estão a provar o seu valor contra a Rússia.

O ministro ucraniano afirma ainda que a Ucrânia abriu o mercado e criou uma grande concorrência com empresas privadas de guerra eletrónica.

Manter-se a par das últimas tecnologias é vital, porque "é uma guerra tecnológica que está a evoluir muito depressa", disse o ministro ucraniano.

Mas a interferência russa nos sistemas GPS também tem sido registada no extremo norte da Europa, na região do Círculo Polar Ártico, onde a Noruega e a Finlândia fazem fronteira com a Rússia.

Um soldado ucraniano prepara um drone para ser lançado na linha da frente na aldeia de Robotyne, região de Zaporizhzhia, Ucrânia, sexta-feira, 1 de março de 2024 AP Photo/Andriy Andriyenko

Questionado sobre se os países da NATO devem estar preocupados com a interferência russa, Fedorov afirmou: "Os nossos parceiros devem seguir o que se passa na Ucrânia porque o ritmo da mudança é incrível".

"Se não estivermos ativamente envolvidos neste ritmo contínuo de adaptação em tempo de guerra, e se a nossa produção não se adaptar diariamente a este ritmo, será muito difícil recuperar mais tarde", acrescentou o ministro ucraniano.

Há também outros desafios, como a saturação da defesa aérea, em particular a utilização pela Rússia de drones iranianos "Shahed" que voam em direção ao alvo e detonam com o impacto.

A Ucrânia está a oferecer aos seus aliados e empresas um campo de ensaio para testar as suas defesas e até mesmo para testar o campo de batalha.

A IA como arma

Uma das tecnologias mais recentes que está a conquistar o mundo está agora a ser testada no campo de batalha. A inteligência artificial (IA) está a desempenhar um papel na guerra eletrónica, uma vez que se trata de uma guerra centrada na rede, com muita tecnologia digital, como sensores utilizados em tempo real e sistemas de reconhecimento do campo de batalha.

"A inteligência artificial permite-nos reconhecer os acontecimentos no campo de batalha e reagir em conformidade, o que significa que, no futuro, devemos esperar uma maior utilização de sistemas com IA", afirma Fedorov.

Mas os drones com IA ainda estão a dar os primeiros passos e não podem conduzir um drone ao seu alvo numa trajetória completa.

Para ultrapassar esta situação, Fedorov diz que os ucranianos estão constantemente a analisar os dados do campo de batalha e a testar no terreno algumas novas tecnologias para a guerra eletrónica.

A Rússia está a utilizar drones assistidos por IA e a usar IA em aplicações de visão por computador para permitir a aquisição de alvos pelos drones ucranianos, bem como na aprendizagem automática.

Trazer a grande tecnologia para o campo de batalha

Desde o início da invasão de 2022, Fedorov pediu às grandes tecnologias que apoiassem a Ucrânia na guerra, instando os diretores executivos do YouTube, Apple (NASDAQ:AAPL), Google (NASDAQ:GOOGL) e Netflix (NASDAQ:NFLX) a bloquear ou limitar os seus serviços russos.

Se as gigantes tecnológicas fizessem um esforço comparável para ajudar a Ucrânia ao nível das tecnologias de defesa, o nosso país seria muito mais poderoso que a Rússia

Mykhailo Fedorov Ministro da Transformação Digital da Ucrânia

Também recorreu ao X, então conhecido como Twitter, para pedir ao CEO da SpaceX, Elon Musk, que ativasse a sua rede Starlink na Ucrânia para fornecer Internet por satélite.

"Enquanto vocês tentam colonizar Marte, a Rússia tenta ocupar a Ucrânia!", escreveu Fedorov a 26 de fevereiro de 2022.

"Pedimos-vos que forneçam à Ucrânia estações Starlink".

Fedorov conseguiu o que queria e os terminais de Internet por satélite revelaram-se vitais para as operações militares, mas também para os hospitais e as operações comerciais.

Outros gigantes da tecnologia, como a Microsoft (NASDAQ:MSFT) e a IBM (NYSE:IBM), também ofereceram apoio à Ucrânia.

Fedorov diz que o país está grato pelo apoio, mas afirma que "precisa definitivamente de mais assistência" por parte das empresas tecnológicas, uma vez que o tempo de reação e resposta é "ligeiramente inferior" ao que era desde o início da invasão.

Mykhailo Fedorov, Vice-Primeiro-Ministro ucraniano para as Inovações, Desenvolvimento da Educação, Ciência e Tecnologias Efrem Lukatsky- The Associated Press. All rights reserved.

"Compreendemos que a vida continua e que, por vezes, a Ucrânia entra e sai dos cabeçalhos dos jornais, mas, ao mesmo tempo, temos de nos lembrar que os ataques russos continuam, que as pessoas continuam a morrer e que esta é uma guerra horrível", afirmou o responsável.

"Se elas [as grandes empresas tecnológicas] fizessem um esforço comparável em termos de tecnologia de defesa e apoio à Ucrânia, seríamos muito mais poderosos do que a Rússia", acrescentou Fedorov.

A Ucrânia precisa de apoio em matéria de serviços de computação em nuvem e de I&D, o que poderia permitir o desenvolvimento de tecnologias de dupla utilização e um local de intercâmbio de conhecimentos e recursos.

A mensagem que gostaria de transmitir às grandes empresas de tecnologia é a seguinte: "Que se envolvam mais e compreendam que temos uma grande guerra e que isto diz respeito a toda a gente.

"Se nos unirmos, podemos acabar com isto muito mais depressa. Mas precisamos de nos unir".

A guerra da informação

Outra forma de as empresas tecnológicas mundiais se unirem para apoiar a Ucrânia é através do combate à desinformação e à informação enganosa.

Depois da guerra, queremos consolidar o nosso estatuto como o Estado mais fixe em termos de transformação digital.

Mykhailo Fedorov Ministro da Transformação Digital da Ucrânia

"Trabalhamos com empresas internacionais que nos ajudam a bloquear as redes de bots e as redes de canais russos", diz Fedorov, acrescentando que o país ainda pode precisar de mais ajuda de empresas tecnológicas de todo o mundo para limitar as capacidades da Rússia.

Atualmente, Fedorov diz que a Ucrânia tem organismos oficiais do governo que respondem rapidamente à desinformação para evitar que "a propaganda russa se instale".

Outro ponto forte são os cidadãos do país, que são muito versados na luta contra a desinformação, que é, no entanto, muito poderosa e está a evoluir.

O Presidente Zelenskyy é um comunicador muito poderoso", afirmou, acrescentando que "a coisa mais poderosa na guerra de informação é a comunicação nacional".

Imagem de 6 de março de 2022 do Presidente ucraniano Volodymyr Zelenskyy, obtida a partir de um vídeo fornecido pelo Gabinete de Imprensa da Presidência ucraniana Ukrainian Presidential Press Office via AP

"Todos os dias, o Presidente dirige-se ao seu povo e fala sobre as coisas que aconteceram".

Não foi só Zelenskyy que subiu na hierarquia e se tornou um ícone mundial pela sua forte liderança durante uma invasão de um dos países mais poderosos do mundo.

Também Fedorov passou de ministro mais jovem da Ucrânia a arquiteto da estratégia de defesa digital do país.

Já antes da guerra, Fedorov fazia ondas quando lançou a Diia, uma aplicação destinada melhorar o sistema de governação.

A aplicação fornece aos cidadãos uma identificação digital e permite-lhes registar uma empresa ou obter muitos outros serviços públicos.

Durante a guerra, Fedorov criou outras funcionalidades como a possibilidade de apresentar um pedido de indemnização se as casas forem danificadas por bombardeamentos russos, obter assistência para a evacuação e apresentar relatórios e vídeos dos movimentos das tropas russas.

Durante um apagão, a aplicação foi usada para transmitir uma final do Campeonato do Mundo.

"Depois da guerra, queremos consolidar o nosso estatuto de Estado mais fixe em termos de transformação digital", diz Fedorov.

"Mas também queremos tornar-nos um país que crie tendências no domínio da defesa e da tecnologia militar nas próximas décadas, porque a nossa experiência é inestimável para o mundo, para todos os países", acrescentou Fedorov.

"E isto pode tornar-se uma parte importante da nossa economia no futuro".

Para mais informações sobre esta história, veja o vídeo no leitor multimédia acima.

Últimos comentários

Divulgação de riscos: A realização de transações com instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve altos riscos, incluindo o risco de perda de uma parte ou da totalidade do valor do investimento, e pode não ser adequada para todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos tais como eventos financeiros, regulamentares ou políticos. A realização de transações com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir realizar transações com instrumentos financeiros ou criptomoedas, deve informar-se sobre os riscos e custos associados à realização de transações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente os seus objetivos de investimento, nível de experiência e nível de risco aceitável, e procurar aconselhamento profissional quando este é necessário.
A Fusion Media gostaria de recordar os seus utilizadores de que os dados contidos neste website não são necessariamente fornecidos em tempo real ou exatos. Os dados e preços apresentados neste website não são necessariamente fornecidos por quaisquer mercados ou bolsas de valores, mas podem ser fornecidos por formadores de mercados. Como tal, os preços podem não ser exatos e podem ser diferentes dos preços efetivos em determinados mercados, o que significa que os preços são indicativos e inapropriados para a realização de transações nos mercados. A Fusion Media e qualquer fornecedor dos dados contidos neste website não aceitam a imputação de responsabilidade por quaisquer perdas ou danos resultantes das transações realizadas pelos seus utilizadores, ou pela confiança que os seus utilizadores depositam nas informações contidas neste website.
É proibido usar, armazenar, reproduzir, mostrar, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos neste website sem a autorização prévia e explicitamente concedida por escrito pela Fusion Media e/ou pelo fornecedor de dados. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados pelos fornecedores e/ou pela bolsa de valores responsável pelo fornecimento dos dados contidos neste website.
A Fusion Media pode ser indemnizada pelos anunciantes publicitários apresentados neste website, com base na interação dos seus utilizadores com os anúncios publicitários ou com os anunciantes publicitários.
A versão em inglês deste acordo é a versão principal, a qual prevalece sempre que há qualquer discrepância entre a versão em inglês e a versão em português.
© 2007-2024 - Fusion Media Limited. Todos os direitos reservados.