Poupe 40%
Novo! 💥 Adira a ProPicks e veja a estratégia que superou o S&P 500 em + de 1,183% Poupe 40%

Vacinas contra COVID-19 salvaram pelo menos 1,4 milhões de vidas na Europa, segundo a OMS

Publicado 16.01.2024, 15:58
Atualizado 16.01.2024, 16:10
Vacinas contra COVID-19 salvaram pelo menos 1,4 milhões de vidas na Europa, segundo a OMS

Pelo menos 1,4 milhões de vidas foram salvas na Europa devido a vacinas seguras e eficazes contra a COVID-19, afirmou esta terça-feira o gabinete regional europeu da Organização Mundial de Saúde (OMS).

De acordo com um novo estudo da OMS publicado num servidor de pré-impressão que analisa a influência das vacinas contra a COVID-19 em 34 países - todos exceto um - da Europa.

As vacinas contra a COVID-19 reduziram o número de mortes em 57% entre dezembro de 2020, quando as vacinas começaram a ser distribuídas, e março de 2023, segundo o estudo.

O número acumulado de mortes na região europeia, que atualmente se situa em 2,5 milhões de vidas, poderia ter atingido quase 4 milhões de pessoas sem vacinas, disse a OMS.

"Pensem nisto hoje e nos 1,4 milhões de pessoas na nossa região, a maioria delas idosas, que estão por perto para desfrutar da vida com os seus entes queridos porque tomaram a decisão vital de serem vacinadas contra a COVID-19", disse o Dr. Hans Kluge, diretor regional europeu da OMS.

"Este é o poder das vacinas. As provas são irrefutáveis", acrescentou.

Kluge recomendou mais uma vez que as pessoas em risco de contrair COVID-19 grave, como as mais velhas ou imunocomprometidas, recebam uma vacinação de reforço seis a 12 meses após a dose mais recente.

O estudo estimou, em particular, que 96% das pessoas cujas vidas foram salvas devido à vacinação tinham mais de 60 anos de idade.

As estimativas sobre o número de vidas salvas pelas vacinas foram efectuadas através de cálculos retrospectivos com base no número de mortes notificadas, nas estimativas sobre a eficácia das vacinas e no que teria acontecido se as pessoas em determinados grupos etários não tivessem sido vacinadas.

Ativistas manifestam-se pela libertação de patentes de vacinas em frente à sede da BioNTech (NASDAQ:BNTX), em Mainz, na Alemanha, a 13 de dezembro de 2021. Boris Roessler/dpa via AP

Verificaram-se discrepâncias entre os países: os países com maior adesão à vacinação reduziram as mortes numa percentagem mais elevada do que os países com menor adesão à vacinação.

Os países que reduziram as mortes em maior percentagem foram Israel, Malta, Islândia, Dinamarca, Finlândia e Reino Unido, enquanto os que reduziram as mortes em menor percentagem foram a Roménia e a Ucrânia.

"Os países que vacinaram mais cedo e que vacinaram a níveis elevados tiveram provavelmente muito mais mortes evitadas do que os países que vacinaram um pouco mais tarde", afirmou o Dr. Marc-Alain Widdowson, responsável da OMS Europa pela gestão dos riscos infecciosos.

Gripe quadruplica

A OMS advertiu, entretanto, que a Europa enfrenta níveis elevados de infecções por gripe.

Nas últimas duas semanas, registou-se um aumento de 58% nas hospitalizações notificadas e de 21% nos internamentos em UCI, em comparação com as duas semanas anteriores, segundo Kluge, tendo as infecções por gripe quadruplicado entre novembro e dezembro.

Em resposta a uma pergunta do Euronews Next sobre o aumento dos níveis de gripe, Widdowson disse que, com todos os vírus, devemos esperar o inesperado.

Mas acrescentou que, após a pandemia de COVID-19, muitas pessoas "não foram expostas à gripe", o que pode estar a contribuir para o aumento dos casos, uma vez que algumas pessoas podem ainda ser susceptíveis.

A OMS Europa também alertou para o facto de a situação da COVID-19, com os casos atualmente a diminuir, poder mudar na região, uma vez que uma nova variante denominada JN.1 está a aumentar a sua prevalência entre os casos.

Saúde está a "sair da agenda política"

Kluge alertou para o facto de "a saúde estar a sair da agenda política e de não estarmos a conseguir resolver a bomba-relógio que os nossos profissionais de saúde e de prestação de cuidados enfrentam".

Cerca de 13 países da região, por exemplo, não comunicaram os seus dados de vigilância das doenças respiratórias, apesar de se tratar da "primeira linha de defesa" para monitorizar os agentes patogénicos.

A Dra. Natacha Azzopardi-Muscat, da OMS Europa, responsável pelas políticas de saúde dos países, também alertou para o facto de que não se trata de aumentar o número de camas hospitalares, mas sim de resolver o principal "estrangulamento" da escassez de pessoal de saúde.

"Em muitos países, a nossa força de trabalho no setor da saúde está a envelhecer e precisa de ser reabastecida. Dito isto, infelizmente, alguns sistemas de saúde estão a lutar para manter a atual força de trabalho no setor da saúde devido às pressões a que estão sujeitos", afirmou, acrescentando que a remuneração, a demografia e as condições de trabalho também podem ter influência.

Vários países europeus, incluindo a Alemanha, a França, Portugal e o Reino Unido, viram os trabalhadores do setor da saúde entrar em greve devido a preocupações com a remuneração e a escassez de trabalhadores.

Em resposta ao Euronews Next, Kluge alertou para o facto de a saúde, que esteve no topo de muitas agendas políticas durante a pandemia da COVID-19, ter sido substituída por outras questões prementes, como a inflação, a energia e a guerra.

Mas embora "a saúde possa não ser tudo, sem saúde não há nada", avisou.

Últimos comentários

Divulgação de riscos: A realização de transações com instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve altos riscos, incluindo o risco de perda de uma parte ou da totalidade do valor do investimento, e pode não ser adequada para todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos tais como eventos financeiros, regulamentares ou políticos. A realização de transações com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir realizar transações com instrumentos financeiros ou criptomoedas, deve informar-se sobre os riscos e custos associados à realização de transações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente os seus objetivos de investimento, nível de experiência e nível de risco aceitável, e procurar aconselhamento profissional quando este é necessário.
A Fusion Media gostaria de recordar os seus utilizadores de que os dados contidos neste website não são necessariamente fornecidos em tempo real ou exatos. Os dados e preços apresentados neste website não são necessariamente fornecidos por quaisquer mercados ou bolsas de valores, mas podem ser fornecidos por formadores de mercados. Como tal, os preços podem não ser exatos e podem ser diferentes dos preços efetivos em determinados mercados, o que significa que os preços são indicativos e inapropriados para a realização de transações nos mercados. A Fusion Media e qualquer fornecedor dos dados contidos neste website não aceitam a imputação de responsabilidade por quaisquer perdas ou danos resultantes das transações realizadas pelos seus utilizadores, ou pela confiança que os seus utilizadores depositam nas informações contidas neste website.
É proibido usar, armazenar, reproduzir, mostrar, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos neste website sem a autorização prévia e explicitamente concedida por escrito pela Fusion Media e/ou pelo fornecedor de dados. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados pelos fornecedores e/ou pela bolsa de valores responsável pelo fornecimento dos dados contidos neste website.
A Fusion Media pode ser indemnizada pelos anunciantes publicitários apresentados neste website, com base na interação dos seus utilizadores com os anúncios publicitários ou com os anunciantes publicitários.
A versão em inglês deste acordo é a versão principal, a qual prevalece sempre que há qualquer discrepância entre a versão em inglês e a versão em português.
© 2007-2024 - Fusion Media Limited. Todos os direitos reservados.