🔥 Ações premium escolhidas por IA da InvestingPro Poupe agora até 50%OBTER OFERTA

Atualidades da semana: (116.º) Digital Sprint

Publicado 22.07.2022, 15:22
MSFT
-
ORCL
-
AMZN
-
NFLX
-
TSLA
-
META
-
TWTR
-
BTC/USD
-
SHOP
-
SNAP
-

• A Tesla (NASDAQ:TSLA), empresa de construção de automóveis elétricos, gerou muito dinheiro e tem demonstrado um trabalho bastante melhor do que os seus rivais, em termos de crescimento de receitas, com a margem de lucro bruto das vendas de automóveis a atingir 28 % no mesmo período.

Mas estes resultados também mostraram como os fatores macroeconómicos estão a provocar o crescimento e as margens no setor: a Tesla gerou $621 milhões de dólares em fluxo de caixa. A sua taxa de crescimento, no segundo trimestre, foi metade da taxa de crescimento, durante o primeiro trimestre.

Na quarta-feira, dia 20, a Tesla vendeu 75 % das suas reservas de Bitcoin, gerando um lucro de mil milhões de dólares. Para o homem mais rico do mundo, as criptomoedas são um «show à parte», mas que entram para as contas da empresa. 

Com a notícia, a criptomoeda caiu 7 %, nas últimas 24 horas.

Como resultado, a capitalização de mercado de Tesla de $770 mil milhões de dólares parece ainda estar fora das normas históricas de como os investidores valorizam as ações públicas com base em fluxos de caixa futuros. 

Os rivais da GM, Ford e Stellantis relatam os ganhos na próxima semana.

• A Microsoft (NASDAQ:MSFT) e a Oracle (NYSE:ORCL), depois de terem anunciado uma parceria há três anos centrada na integração dos seus respetivos serviços na nuvem, estão agora mais próximas. As empresas estão a lançar em conjunto um novo serviço que permite aos clientes do Microsoft Azure construir aplicações que se ligam a bases de dados que funcionam na infraestrutura da Oracle.

A outro nível, esta é uma ilustração notável do termo industrial conhecido como multi-cloud, que se refere a empresas que utilizam serviços de mais do que um fornecedor. Embora a Microsoft e a Oracle sejam concorrentes de bases de dados, a sua ligação poderia levar a mais negócios para ambas, porque os clientes terão agora a escolha de utilizar a base de dados que melhor se adapte às necessidades das suas aplicações.

• Após relatar resultados financeiros desastrosos, Evan Spiegel, CEO da Snap (NYSE:SNAP), acrescentou que ele e o seu chefe de tecnologia, Bobby Murphy, continuam em funções pelo menos até 2027. Suponho que os CEO estão a fazer tudo o que podem para demonstrar que permanecerão empenhados nas suas empresas.

As receitas da Snap aumentaram 13 % no segundo trimestre, bem abaixo do crescimento de 20 % a 25 % que previam. A sua perda líquida aumentou de 152 milhões de dólares no mesmo período do ano passado para 422 milhões.

Planeia abrandar significativamente as contratações e o crescimento das despesas. As ações da Snap caíram 26 %, o que ajudou a assustar os investidores de outras empresas de Internet dependentes da publicidade, incluindo Meta Platforms, Twitter, Alphabet e Pinterest.

Se há um lado bom para a Snap, é que os utilizadores ativos diários continuam a crescer.

• Sobre a Amazon (NASDAQ:AMZN): Imagine ser uma empresa gigante sob investigação governamental e enviar uma mensagem aos reguladores antitrust a confessar que não seria dissuadido de continuar a devorar empresas. O que faria? Bem, provavelmente, anunciaria adquirir uma empresa numa indústria altamente sensível, lidando com um tipo de dados altamente sensíveis, mesmo antes das férias de verão do Congresso, certo? 

Foi o que a Amazon fez esta semana, anunciando os seus planos de adquirir One Medical por 3,9 mil milhões de dólares. Tem uma prática bastante robusta de medicina remota.

A Amazon lançou o seu próprio serviço de saúde digital, Amazon Care, há quase três anos, mas suspeita-se de que não apresentava um crescimento  suficientemente rápido.

Por isso, a empresa quer comprar One Medical para avançar mais rapidamente. É exatamente o que a Amazon faz com Whole Foods nas mercearias.

Os reguladores e legisladores vão usar a transação para semear mais receios sobre o poder crescente da Amazon, mas é difícil argumentar que a Amazon tem poder de mercado na saúde. 

• A TikTok ultrapassará o Facebook da Meta Platforms (NASDAQ:META) no que diz respeito à quantidade de dinheiro que os anunciantes gastam em marketing de influência, nos EUA, até ao final deste ano e ultrapassará o YouTube até 2024, de acordo com uma nova previsão da Insider Intelligence.

O Instagram continua a ser a aplicação de partilha de fotos preferida para os anunciantes que pagam aos criadores para promoverem os produtos e serviços. 

Esta rede social da Byte Dance também lançou novas ferramentas para anunciantes, tais como uma biblioteca com anúncios de leilão de alto desempenho e um mercado de criadores para conectar marcas e influenciadores de negócios, o que inclui características como descrições de anúncios para campanhas publicitárias às quais os criadores podem candidatar-se. 

Globalmente, a Insider Intelligence espera que as despesas de marketing de influenciadores nos EUA aumentem 28 %. 

«Nano e microinfluenciadores tendem a ser mais confiáveis e eficazes do que influenciadores com seguidores maiores, pelo que as pessoas também são mais suscetíveis de confiar e tomar medidas com base nas suas recomendações», refere o relatório, observando que os criadores mais pequenos também cobram frequentemente taxas mais baratas.  

• O LinkedIn anunciou, na quarta-feira, a sua última oferta para criadores: a partir deste outono, lançará um programa de seis semanas para criadores, nos EUA, focados na tecnologia e inovação.

Será que vai chegar à Europa?

Os criadores envolvidos no programa receberão uma subvenção de até $12.000.

À medida que os fundos dos criadores se tornam mais comuns em diferentes redes sociais, o LinkedIn oferece benefícios adicionais, estreitando-se numa categoria específica.

• A Netflix (NASDAQ:NFLX) perdeu quase um milhão de assinantes no segundo trimestre e os rendimentos operacionais caíram 15 %, anunciou o gigante do streaming, no seu relatório de ganhos no final desta terça-feira. A empresa enfrenta desafios macroeconómicos e de concorrência dos serviços de streaming.

A empresa gerou 8 mil milhões de dólares em receitas nos três meses que terminaram em junho, quase 9 % acima das expectativas do ano anterior e um pouco abaixo das expectativas dos analistas. Os seus assinantes caíram para 220,7 milhões. Os executivos da empresa esperam recuperar um milhão de novos assinantes no terceiro trimestre, mas prevêem que as receitas diminuam. Mais de metade das receitas vem de fora dos Estados Unidos.

A Netflix duplicou a sua estratégia original de conteúdo, anunciando a aquisição da Animal Logic, um estúdio de animação com 800 empregados, sediado na Austrália.

• Na primeira batalha judicial entre o Twitter (NYSE:TWTR) e a relutante compra de Elon Musk, o primeiro sai a ganhar. O juiz que supervisiona o caso partilhou que, em outubro, se iniciará um julgamento de cinco dias. 

O juiz destacou que a percentagem de contas de spam no Twitter - que Musk está a usar como desculpa principal para não fechar o negócio - não é relevante, porque «nada no acordo de fusão se volta para essa questão», informou a CNBC. Como todos os peritos em fusões dizem há semanas, Musk parece estar a travar uma batalha legal difícil e é pouco provável que se afaste de ter a obrigação de pagar uma multa milionária ao Twitter.

• A Microsoft anunciou uma nova aplicação para o seu produto Teams, designada Viva Engage, que permite aos funcionários das empresas interagirem entre si de forma semelhante às redes sociais.

A aplicação, que utiliza software da aquisição da Yammer pela Microsoft há uma década, no valor de 1,2 mil milhões de dólares, é a última tentativa do gigante do software para mostrar o valor do negócio. Sublinha também o desejo da Microsoft de promover o Viva Engage, uma linha de produtos centrada no trabalho remoto que introduziu há dois anos, como uma alternativa mais empreendedora às ferramentas de colaboração de rivais como Salesforce. A Microsoft continuará também a vender produtos sob a marca Yammer.

O Presidente e CEO da Microsoft, Satya Nadella, destaca frequentemente que muitas das mudanças no trabalho provocadas pela pandemia serão permanentes. Se isto for verdade, há muito em jogo para a Microsoft e os seus rivais na batalha para ser a plataforma de escolha para as redes sociais empresariais.

Shopify (NYSE:SHOP) está a ajudar o YouTube a aumentar os seus esforços comerciais. O fornecedor canadiano de software de comércio eletrónico anunciou, na terça-feira, que deixará os seus comerciantes venderem os seus produtos no site de vídeo de propriedade da Alphabet.

A nova funcionalidade da Shopify permitirá aos comerciantes venderem os seus produtos através de fluxos ao vivo, através da qual os espetadores podem comprar artigos nos sites dos comerciantes, enquanto assistem ao vídeo. Os compradores podem também clicar nos links pop up abaixo dos vídeos pré-gravados dos comerciantes que os direcionam para as suas lojas. O YouTube também adicionará um separador nos canais dos comerciantes que listará todos os bens que estão disponíveis para comprar nas suas lojas Shopify.

A iniciativa é a mais recente de uma série de funcionalidades que a Shopify implementou para ajudar os comerciantes a participar na economia criadora. A empresa anunciou uma parceria semelhante com a TikTok no ano passado. Em março, a Shopify lançou a sua própria funcionalidade link-in-bio chamada Linkpop, que permite aos criadores adicionar um conjunto de links de compras à secção de bio nos seus perfis de redes sociais. A TikTok, recentemente, abandonou os planos de expandir as suas compras ao vivo para a Europa e os EUA, após ter lutado para ganhar interesse dos consumidores do Reino Unido, noticiou o Financial Times.

Últimos comentários

A carregar o próximo artigo...
Divulgação de riscos: A realização de transações com instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve altos riscos, incluindo o risco de perda de uma parte ou da totalidade do valor do investimento, e pode não ser adequada para todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos tais como eventos financeiros, regulamentares ou políticos. A realização de transações com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir realizar transações com instrumentos financeiros ou criptomoedas, deve informar-se sobre os riscos e custos associados à realização de transações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente os seus objetivos de investimento, nível de experiência e nível de risco aceitável, e procurar aconselhamento profissional quando este é necessário.
A Fusion Media gostaria de recordar os seus utilizadores de que os dados contidos neste website não são necessariamente fornecidos em tempo real ou exatos. Os dados e preços apresentados neste website não são necessariamente fornecidos por quaisquer mercados ou bolsas de valores, mas podem ser fornecidos por formadores de mercados. Como tal, os preços podem não ser exatos e podem ser diferentes dos preços efetivos em determinados mercados, o que significa que os preços são indicativos e inapropriados para a realização de transações nos mercados. A Fusion Media e qualquer fornecedor dos dados contidos neste website não aceitam a imputação de responsabilidade por quaisquer perdas ou danos resultantes das transações realizadas pelos seus utilizadores, ou pela confiança que os seus utilizadores depositam nas informações contidas neste website.
É proibido usar, armazenar, reproduzir, mostrar, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos neste website sem a autorização prévia e explicitamente concedida por escrito pela Fusion Media e/ou pelo fornecedor de dados. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados pelos fornecedores e/ou pela bolsa de valores responsável pelo fornecimento dos dados contidos neste website.
A Fusion Media pode ser indemnizada pelos anunciantes publicitários apresentados neste website, com base na interação dos seus utilizadores com os anúncios publicitários ou com os anunciantes publicitários.
A versão em inglês deste acordo é a versão principal, a qual prevalece sempre que há qualquer discrepância entre a versão em inglês e a versão em português.
© 2007-2024 - Fusion Media Limited. Todos os direitos reservados.