Últimas Notícias
Investing Pro 0
OFERTA Cyber Monday: Poupe até 54% na InvestingPro+ OBTER OFERTA

Brexit, desaceleração global adia decisões investimento Portugal, mas AICEP vê novos recordes

Ações 30.01.2019 16:50
Guardado. Veja Artigos Guardados.
Este artigo já foi guardado em Artigos Guardados
 
© Reuters. Brexit, desaceleração global adia decisões investimento Portugal, mas AICEP vê novos recordes
 
RENA
-1,13%
Adicionar/Remover de uma carteira
Adicionar a Watchlist
Adicionar Posição

Posição adicionada com sucesso a:

Dê um nome à sua carteira de participações
 
BMWG
-0,62%
Adicionar/Remover de uma carteira
Adicionar a Watchlist
Adicionar Posição

Posição adicionada com sucesso a:

Dê um nome à sua carteira de participações
 
LUN
-2,82%
Adicionar/Remover de uma carteira
Adicionar a Watchlist
Adicionar Posição

Posição adicionada com sucesso a:

Dê um nome à sua carteira de participações
 

Por Sergio Goncalves

LISBOA, 30 Jan (Reuters) - Os riscos do Brexit e a desaceleração dos emergentes estão a levar os investidores a adiar, mais seis meses do que o habitual, as decisões de investir em Portugal, mas o presidente da AICEP está optimista que o 'pipeline' de projectos permitirá bater novos recordes de investimento e exportações em 2019.

Luís Castro Henriques adiantou que, "sendo totalmente realista, nos últimos quatro meses, tem-se sentido que os processos de decisão de investimento até chegarem a uma candidatura, que antes demorariam um ano a 18 meses de 'namoro', estão agora a ter um acréscimo de mais seis meses".

O presidente da agência, que só angaria investimentos que tenham um relevante pendor exportador, afirmou que "há muitas empresas a dizer que os seus 'boards' estão convencidos, mas o ambiente internacional está uma confusão e portanto pedem mais tempo para pensar".

"Não é tanto para pensar se escolhem entre Portugal ou outro país, mas é para pensar se fazem ou não o investimento. Isso é uma núvem que temos de gerir", disse o presidente da AICEP, em entrevista à Reuters.

Realçou que "2019 vai ser um ano com muita 'poeira no ar': o mais óbvio é o Brexit - como, quando e com que consequências? -, e também o enquadramento mundial, com os emergentes a terem uma desaceleração grande com a queda dos preços das commodities".

"A única coisa que temos sentido é que o período de tomada de decisões dos investidores tem demorado mais, mas com a mesma taxa de concretização. Não vemos um abrandamento", disse.

"Portanto, o nosso 'outlook' para a actividade de angariação de investimento é optimista porque estamos a processar mais e melhor investimento pois temos, cada vez mais, projectos de elevadíssimo valor acrescentado e temos uma diversificação geográfica que é muito relevante".

Perguntado sobre se em 2019 pode ser batido um novo recorde disse: "Vou trabalhar para isso até ao final do ano, é para isso que estamos cá."

"Assim, vejo as exportações a subirem, vejo o PIB a crescer e vejo o investimento a vir para Portugal com uma componente inovadora e tecnológica cada vez maior e a criar cada vez mais postos de trabalho", afirmou Luís Castro Henriques.

ANO RECORDE

Em 2018, no décimo ano de vida da agência, o investimento produtivo angariado pela AICEP quase duplicou face a 2017 para um recorde de 1.149 milhões de euros (ME), com 49 projectos face a 29 um ano antes. O anterior recorde concretizado tinha sido de 1.086 ME em 2014, quando o país saiu de um duro resgate externo, consolidando as expectativas positivas dos investidores.

"Melhor notícia do que o recorde de contratualizações em 2018 é que ainda temos em 'pipeline' mais de 2.000 ME e portanto ainda há muito que trabalhar e há muita negociação a decorrer", afirmou, referindo que "os projectos estão sempre a entrar e o 'pipeline' está sempre a ser construído, é dinâmico".

O Investimento Directo Estrangeiro (IDE) pesou 62 pct do investimento angariado em 2018, enquanto o nacional foi 38 pct, "e o pipeline ainda tem mais pendor de IDE, à volta de 70 pct", disse.

Adiantou que a origem de IDE está mais diversificada, tendo em 2018 o Canadá liderado o ranking, suportado por um investimento de 256 ME da mineira Lundin Mining LUN.TO , seguindo-se os países habituais fortemente investidores como França e Espanha, mas também EUA, Japão ou Coreia do Sul. A Alemanha, que foi um dos líderes em 2017, desceu na listagem em 2018, mas segue em lugares cimeiros no 'pipeline'.

Os sectores que estão a atrair mais investimento são variados, desde a metalomecânica com destaque para a indústria automóvel e de componentes, passando pela extração mineira, pasta e papel, agro-alimentar, até novos serviços de engenharia e software com alto valor acrescentado.

Em 2018, o investimento para projectos de IDT-Investigação e Desenvolvimento Tecnológico aumentou 1,6 vezes para 80 ME. Desde 2015 até 2018, a AICEP angariou 204 ME de projectos de IDT, ou seja quase o mesmo valor do angariado em todo o QREN 2008-2014.

"Vamos seguramente aí bater o recorde até porque (o IDT) é uma linha onde temos uma diversificação muito grande de actividades e de clientes", disse, lembrando investimentos da Volkswagen AutoEuropa, PSA, Renault (PA:RENA), Bosch, Natixis, BMW (DE:BMWG) ou da norte-americana Amyris.

Os projectos contratualizados em 2018 criarão mais 4.300 postos de trabalho e "os projectos de IDT têm uma proporção relevante de doutorados e pós-doutorados".

Uma nova tendência dos investidores é privilegiarem os benefícios fiscais face aos financeiros, pois conseguem mais rápido aumentar a rentabilidade, mostrando que estes projectos, para além de altamente empregadores, retêm muito IRC no país.

EXPORTAR MAIS

O presidente da agência recordou que, entre 2007 e 2017, as exportações portuguesas tiveram a maior subida da sua história, crescendo 1,5 vezes para um recorde de 84.316 ME e as "empresas contratualmente apoiadas pela AICEP - para internacionalização, para investimento ou ambos - representou 46 pct desse aumento".

"O facto de termos feito uma contratualização recorde de investimento automaticamente vai ter um impacto de crescimento nas exportações", afirmou.

Segundo o INE, em Novembro as exportações caíram 8,7 pct, sobretudo devido à greve dos estivadores no porto de Setúbal, que bloqueou a saída de viaturas da AutoEuropa, mas nos 11 meses subiram 1 pct para 82.293 ME, encaminhando-se para novo máximo.

"Parece-nos um fenómeno conjuntural pois, pela informação que temos, as exportações irão continuar a crescer. O impacto grande foi no sector automóvel e a própria AutoEuropa também teve paragens por causa dos motores 'just in time'", disse.

Explicou que o aumento das exportações tem sido suportada por ganhos de quota, mas é preciso diversificar mais mercados, em especial em sectores tradicionais portugueses como textil e calçado, pois ainda há uma proporção de 3/4 intra-Europa.

Afirmou que os dados do QREN 2008-14 mostram que as empresas que permaneceram a exportar para apenas dois mercados aumentaram as exportações somente 18 pct, enquanto as que se mantiveram em mais de cinco mercados subiram-nas 38 pct.

"A chave para fazer esta diversificação das exportações é a atração de investimento", concluiu. (Por Sérgio Gonçalves Editado por Catarina Demony)

Brexit, desaceleração global adia decisões investimento Portugal, mas AICEP vê novos recordes
 

Artigos Relacionados

Amazon em greve durante
Amazon em greve durante "Black Driday" Por Euronews PT - 25.11.2022 2

Em dia de Black Friday, um dos pontos mais altos de vendas durante o ano, trabalhadores da Amazon (NASDAQ:AMZN) em todo o mundo deixaram, esta sexta-feira, os armazéns para...

Adicione um comentário

Diretrizes para Comentários

Encorajamos o uso de comentários como forma de interagir com os nossos usuários, compartilhar a sua perspetiva e fazer perguntas. No entanto, a fim de manter o alto nível do discurso que todos nós valorizamos e esperamos, por favor, mantenha os seguintes critérios em mente:

  • Enriqueça a conversa
  • Mantenha-se focado no tema. Apenas coloque conteúdo relativo ao tópico.
  • Seja respeitoso. Até as opiniões negativas podem ser enquadradas de forma positiva e diplomática.
  • Use estilo de escrita padrão. Incluir pontuação e letras maiúsculas e minúsculas.
  • NOTA: Spam e/ou mensagens promocionais ou links dentro de um comentário serão removidos.
  • Evite palavrões, calúnias ou ataques pessoais dirigidos a um autor ou outro usuário.
  • Somente serão permitidos comentários em Português.

Os autores de spam ou abuso serão excluídos do site e proibidos de registro no futuro, a critério Investing.com.

Escreva o que você pensa aqui
 
Tem certeza que deseja eliminar este gráfico?
 
Postar
Também publique em :
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua capacidade de comentar está suspensa devido a relatórios negativos por partes utilizadores. O estado será revisto pelos nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Obrigado pelo seu comentário. Por favor, note que todos os comentários estão automaticamente pendentes, em nosso sistema, até que aprovados por nossos moderadores. Por este motivo, pode demorar algum tempo antes que o mesmo apareça em nosso site.
 
Tem certeza que deseja eliminar este gráfico?
 
Postar
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua capacidade de comentar está suspensa devido a relatórios negativos por partes utilizadores. O estado será revisto pelos nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Anexar um gráfico a um comentário
Confirmar Bloqueio

Quer mesmo bloquear %USER_NAME%?

Se o fizer, não poderá consultar as mensagens de %USER_NAME% e vice versa em Investing.com.

Adicionou %USER_NAME% com sucesso à sua Lista de Bloqueios

Uma vez que acabou de desbloquear esta pessoa, deve aguardar 48 horas antes de bloqueá-la novamente.

Denunciar este comentário

Diga-nos o que achou deste comentário

Comentário denunciado

Obrigado!

Seu comentário foi enviado aos moderadores para revisão
Registe-se com o Google
ou
Registe-se com email