💼 Proteja o seu portefólio com as ações escolhidas por IA da InvestingPro - Poupe AGORA até 50% OBTER OFERTA

Evergrande à beira da falência

Publicado 17.09.2021, 10:56
© Reuters
GS
-
HSBA
-
STAN
-
BLK
-
BXMT
-
3333
-

Por Laura Sánchez

Investing.com - O gigante imobiliário chinês China Evergrande Group (HK:3333) está à beira do colapso, com os analistas a advertirem que as potenciais consequências podem estender-se para além das fronteiras da China.

A dívida atual da Evergrande é de 300 mil milhões de dólares. Esta semana, o gigante anunciou aos investidores que as suas vendas poderiam continuar a cair e que poderia não ser capaz de satisfazer as suas dívidas.

As agências baixaram a classificação do grupo, citando os seus problemas de liquidez.

O preço das ações desceu 80% até agora este ano.

Bancos como o HSBC (LON:HSBA) e o Standard Chartered (LON:STAN) já não concedem empréstimos a clientes Evergrande.

Os fundos globais também estão envolvidos. Os dados do EMAXX mostram que a Amundi, o maior gestor de ativos da Europa, é o maior detentor de obrigações internacionais da Evergrande.

Empresas como a BlackRock (NYSE:BLK), Fidelity, Goldman Sachs (NYSE:GS) e PIMCO também têm exposição aos títulos da Evergrande.

De facto, de acordo com a Reuters, grandes empresas financeiras norte-americanas como a BlackRock e Goldman, e outras como a Blackstone (NYSE:BXMT), têm agendadas reuniões com funcionários do banco central da China e dos seus reguladores bancários e de títulos.

"O colapso da Evergrande seria o maior fracasso do sistema financeiro chinês em anos", diz Mark Williams, economista chefe para a Ásia da Capital Economics, conforme reporta a CNBC.

O governo chinês é suscetível de intervir devido à importância de Evergrande, dizem os especialistas. O banco central do país poderia até tentar um salvamento.

O setor bancário estaria entre os primeiros a ser afetado se houvesse qualquer efeito de contágio no sector imobiliário, adverte Williams da Capital Economics.

"Uma falência bancária desencadeada pelo colapso de grandes promotores imobiliários pode ser o cenário mais provável. E o facto de os mercados financeiros não estarem a dar sinais de alarme não significa que não estejam alarmados", acrescenta.

Entretanto, os protestos de compradores de casas e investidores têm vindo a aumentar, exigindo o reembolso de empréstimos sobre produtos financeiros vencidos, relata a Reuters.

As implicações do fracasso da Evergrande podem também alastrar a outras indústrias se os fornecedores não forem pagos. Segundo a S&P Global Ratings, a empresa pode estar a "tentar persuadir" os seus fornecedores a aceitar propriedades físicas como pagamento, numa tentativa de conservar dinheiro para o reembolso de empréstimos, aponta a CNBC.

Últimos comentários

Divulgação de riscos: A realização de transações com instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve altos riscos, incluindo o risco de perda de uma parte ou da totalidade do valor do investimento, e pode não ser adequada para todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos tais como eventos financeiros, regulamentares ou políticos. A realização de transações com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir realizar transações com instrumentos financeiros ou criptomoedas, deve informar-se sobre os riscos e custos associados à realização de transações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente os seus objetivos de investimento, nível de experiência e nível de risco aceitável, e procurar aconselhamento profissional quando este é necessário.
A Fusion Media gostaria de recordar os seus utilizadores de que os dados contidos neste website não são necessariamente fornecidos em tempo real ou exatos. Os dados e preços apresentados neste website não são necessariamente fornecidos por quaisquer mercados ou bolsas de valores, mas podem ser fornecidos por formadores de mercados. Como tal, os preços podem não ser exatos e podem ser diferentes dos preços efetivos em determinados mercados, o que significa que os preços são indicativos e inapropriados para a realização de transações nos mercados. A Fusion Media e qualquer fornecedor dos dados contidos neste website não aceitam a imputação de responsabilidade por quaisquer perdas ou danos resultantes das transações realizadas pelos seus utilizadores, ou pela confiança que os seus utilizadores depositam nas informações contidas neste website.
É proibido usar, armazenar, reproduzir, mostrar, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos neste website sem a autorização prévia e explicitamente concedida por escrito pela Fusion Media e/ou pelo fornecedor de dados. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados pelos fornecedores e/ou pela bolsa de valores responsável pelo fornecimento dos dados contidos neste website.
A Fusion Media pode ser indemnizada pelos anunciantes publicitários apresentados neste website, com base na interação dos seus utilizadores com os anúncios publicitários ou com os anunciantes publicitários.
A versão em inglês deste acordo é a versão principal, a qual prevalece sempre que há qualquer discrepância entre a versão em inglês e a versão em português.
© 2007-2024 - Fusion Media Limited. Todos os direitos reservados.